Profissional pode ser definido como aquele que tem conhecimentos da sua profissão, especialista. Infelizmente, não é o que acontece.

Vamos do início: todas as pessoas precisam entrar na escola, passar por fases para se formar, cursar ensino superior ou técnico, para assim ser considerado um profissional.

O que acontece na dança que a maioria dos praticantes sentem o desejo de pular essas fases?

A ordem natural de qualquer profissão é a pessoa estudar até sentir-se apto a repassar seus conhecimentos.

Na dança, as pessoas costumam fazer aulas regulares e workshops, fazem parte de um grupo onde adquirem conhecimentos necessários para se tornar um dia professor ou coreógrafo. O que acontece é que, atualmente, os grupos estão cada vez mais difíceis de se manterem devido a evasão dos dançarinos que querem ser professores antes da hora, o que causa um grande problema na nossa profissão.

Como os novos professores cobram menos, devido a sua falta de experiência, os profissionais da área perdem seus espaços, sem contar nos alunos que poderiam estar adquirindo melhor conhecimento.

Algumas pessoas dizem que os bons profissionais da área nunca estarão desempregados porque são ótimos profissionais, mas, como existem novos professores, existem novos contratantes que não conhecem o mercado, acreditam no que lhes é oferecido e é mais viável economicamente.

Existem também casos de pessoas que moram em lugares onde ainda não se tem a prática da dança e por isso são obrigados as ser professores, mas que buscam conhecimento em aulões e workshops de eventos.

Não é difícil ouvir reclamações sobre a falta de profissionalismo; sobre não cumprimento de agenda e horários; sobre as professoras não levarem tal professor para ministrar workshops no seu grupo, porque tem alunas meninas e não confiam; sobre profissionais desrespeitando profissionais.

O fato é que, se a pessoa não se prepara, não está devidamente preparada a se portar diante de uma turma de discentes. Como profissionais, trabalhamos diretamente na vida dos alunos e a famosa frase “o bailarino é espelho dos seus coreógrafos” faz muito sentido. É constrangedor ver grupos mal preparados participando de grandes eventos por culpa de maus profissionais que sujeitam seus dançarinos a isso.

Não é difícil para um professor conhecer alguma pessoa que não dança mais, porque um professor não preparado traumatizou esta pessoa.

Vivenciar, especializar-se, para, aí sim, intervir na vida das demais pessoas e somar para o meio no qual faz parte. Atualizar-se sempre: essa é a função de um bom profissional. Conscientize-se!