Não estou aqui para discutir religião, nem apontar razões ou diferenças. A dança, desde sempre, foi usada como forma de cultuar deuses em rituais e manifestações. Mas meu foco aqui será a dança profética, já bastante conhecida, mas pouco compreendida.

A dança profética usa de gestos e movimentos para ministrar o louvor e a adoração a Deus. Estes bailarinos são chamados de “profetas da dança”, muitos por amor, outros por temor…Mas todos inundados pela graça e beleza de Deus, pois a maioria deles não têm experiência alguma, por isso devem ser vistos com outros olhos. Não olhos críticos ou selecionadores de físicos, mas olhos que enxergam além da carne! Olhos que enxergam o Espírito de Deus que flui em cada passo.

Para muitos, isso tudo pode parecer loucura, mas como dizia o apóstolo Paulo: “A sabedoria de Deus é a loucura dos homens”! E hoje já até existem companhias clássicas e contemporâneas de adoração profética, tais como: Dança pelas Nações, Cia. Rhema, Ministério de Dança Batista da Lagoinha, Ministério Shema. Tais fazem com excelência a concordância entre o técnico e o espiritual.

Já a dança espontânea, origina-se em um sentimento ou tendência natural, em determinação livre, sem constrangimentos, algo sincero e voluntário. É como cantar no banheiro, poetizar para as estrelas, dançar para o espelho… A única grande diferença é a fé em que temos de que somos vistos pelo nosso Criador.