O Carlinhos de Jesus é, na minha opinião, a grande celebridade da dança no Brasil, um dos poucos profissionais de dança que são amplamente conhecidos fora do mundo da dança. Um workaholic assumido, construiu uma marca pessoal muito forte e um empreendimento incrível em volta dela. Tivemos o prazer de entrevistar o grande Carlinhos de Jesus e você pode conferir o resultado logo abaixo. Aproveite tanto quanto nós aproveitamos! Boa leitura!

DanceCast: Deixando de lado o aspecto profissional, quem é o Carlinhos de Jesus?

Carlinhos de Jesus: Sou um carioca que nasceu e se criou na zona norte e ali aprendeu a ser um cidadão alegre, comunicativo e solidário, características dos moradores desta região. Fui um aluno mediano, um pouco agitado, que adorava aulas de Educação Física, hoje me classificariam de “hiperativo”. Quando posso gosto de viajar e curtir um pouco a vida com a minha família. Adoro ver TV, ir ao cinema, teatro, almoçar com amigos, dormir ou ficar sem fazer nada em casa onde tenho aconchego, paz e funcionalidade.

DC: Como foi o seu início na dança?

Carlinhos: Minha relação com a dança iniciou ainda criança, minha mãe contava que aos 5 anos de idade eu chamava atenção pelas minhas performances nas festas dançantes, muito comum no subúrbio do Rio de Janeiro. Me lembro as 8 anos quando comecei a freqüentar a Escola de Samba do bairro que morava, aos 10 anos já desfilava como passista no carnaval. Cresci me dediquei e tive muitos trabalhos que foram sucesso, um deles, a quem devo muito, é o trabalho desenvolvido com Elba Ramalho, dancei com ela no período de 1988 a 1994 por todo Brasil e pelo mundo, uma parceria determinante para minha projeção artística. Posso dizer que o meu domínio de palco,  conhecimento de iluminação, disciplina, profissionalismo veio desta convivência. Elba Ramalho naquela ocasião fazia em media 22 shows por mês e eu estava em todos eles. Já cheguei a viajar com Elba Ramalho e play back para shows em Portugal. Elba é muito correta e extremamente generosa, foi uma grande escola e vitrine para mim.

DC: Quem são suas influências no mundo da dança? Você busca inspirações também fora do mundo da dança?

Carlinhos: Nunca frequentei academia de dança, criei meu estilo observando grandes dançarinos do subúrbio Carioca. Juntei o dom nato com a dedicação e a 34 anos vivo literalmente da dança. Meus ídolos são dançarinos anônimos que conheci ao longo da minha vida, quando saía para dançar nos finais de semana. Um dos meus maiores exemplos é o mestre sala da Mangueira de nome Delegado , um dançarino nato, elegante, e minha fonte de inspiração na comissão de frente de 1998 cujo enredo foi “ Chico Buarque da Mangueira”. Quando estou envolvido em algum trabalho, coreografia de comissão de frente por exemplo, a inspiração pode vir em sonhos, muitas vezes acordo na madrugada e escrevo, posso me inspirar com cenas e fatos do cotidiano da cidade, a leitura da sinopse do enredo, o bate papo com a equipe são grandes laboratórios coreográficos, algum filme, vivência, enfim circunstâncias totalmente fora do mundo da dança.

DC: Quando decidiu levar a dança como profissão e como fez para superar os desafios iniciais?

Carlinhos: O profissional CARLINHOS DE JESUS surgiu acidentalmente. Há 35 anos na casa do jornalista Sergio Cabral, fui convidado a dar aulas para um grupo de artistas e não parei mais, os convites se sucederam para inicialmente apresentações e após coreografias para cinema, TV, teatro, espetáculos, carnaval. Abri uma Escola de Dança de Salão em 1986 e posteriormente criei a Cia de Dança que levam o meu nome. No inicio de tudo tinha 27 anos e era funcionário público. Não me preparei para esta carreira. Não imaginava que teria a dança como profissão, estudei , me formei e atuei como Pedagogo, minha profissão por formação. Quando decidi abandonar tudo e viver literalmente da dança vi o quanto era difícil, mas graças a Deus tudo aconteceu no tempo certo, tinha maturidade para entender que só com muito trabalho, dedicação e profissionalismo alcançamos os nossos objetivos.

DC: Como você enxerga a vida do profissional de dança no Brasil hoje?

Carlinhos: Hoje podemos dizer que já existe a profissão de professor e dançarino de salão no Brasil. Nossos profissionais estão por toda parte, vivendo literalmente do seu trabalho. Poucos são aqueles que acumulam profissões diferentes. Mas ainda é muito difícil conseguirmos patrocinadores para a montagem de um espetáculo ou um festival de dança de salão, só na “cara e coragem” e no final ficar no prejuízo. Vivemos uma situação de crise muito grande, triste mesmo, o entretenimento é o que mais sofre nestes tempos, seria necessário a desburocratização e o apoio do Governo e das Empresas Privadas. No Brasil temos dançarinos campeões em vários ritmos como : Salsa, Tango, West Coast Swing. Temos talentos de sobra.

DC: Quais as características pessoais de um bom profissional da dança na sua opinião?

Carlinhos: O maior desafio é não se acomodar, estar sempre atento a contemporaneidade. Para se ter sucesso é necessário dedicação, profissionalismo, ética, ousadia e coragem.

Carlinhos de Jesus

Pura emoção no desfile da Mangueira

DC: Você conseguiu um feito incrível, ser conhecido dentro e fora do mundo da dança. Quais são suas dicas para os profissionais que almejam algo assim?

Carlinhos: Quando percebi que o mercado da Dança de Salão estava aberto a profissionais que se dedicavam e que os trabalhos se multiplicavam na TV, Teatro, Cinema, Casa de Shows, carnaval etc.. O mercado é muito exigente e temos que nos dedicar, tratei logo de me profissionalizar. Sou workaholic, me dedico de corpo e alma ao trabalho, viajo todo o país realizando Eventos dos mais variados tipos : Palestras Motivacionais, Oficinas de Dança, Shows Variados, Coreografias para Teatro, Cinema, TV, Espetáculos Musicais, Carnaval, Preparação Corporal de grandes artistas nacionais e internacionais. O resultado, que me deixa muito feliz, é estar em Eventos de grande importância nacional e internacional como : EXPO 2010 em Xangai – China; RIO + 20; Recepção ao Papa Francisco na JMJ, Evento BRICS em Fortaleza, ROCK IN RIO em Lãs Vegas – EUA, Lisboa – Portugal e no Rio de Janeiro, Grande Festa de Abertura dos Jogos Olímpicos – 2016 no Rio de Janeiro, tive a honra de ser um dos coreógrafos desta grande festa.
Claro que tenho uma equipe de professores, dançarinos, produtores que me dão todo o respaldo. Nos reunimos traçamos as metas e vamos que vamos…Levo muito a sério tudo que faço, sou perfeccionista, detalhista, as vezes não sei se é qualidade ou defeito, mas é uma característica minha, sou assim desde criança. A dança me colocou em contato com pessoas que foram fundamentais para a minha formação.
Uma delas, a quem devo muito, é Regina Miranda, fiz parte do seu grupo de Dança “ATORES BAILARINOS”, onde minha trajetória começava a ser traçada. A seriedade com que encaro a minha atividade profissional me tornou respeitado e reconhecido no meu país.

DC: Até que ponto o dinheiro ajuda e atrapalha a arte da dança?

Carlinhos: O dinheiro sempre ajuda (risos). Ele só atrapalha quando estamos em alguma competição, como no Carnaval, por exemplo, e algumas Escolas tem muito dinheiro e outras não, aí a competição fica desigual. Temos que ser muito criativos em qualquer situação. Com patrocínio e apoios podemos trabalhar e criar com mais conforto, sem duvida.

DC: Qual é o seu sonho grande?

Carlinhos: Sou uma pessoa privilegiada, posso dizer que os meus sonhos se superaram. Quando olho para trás e vejo a trajetória do menino de família simples do subúrbio que consegue o reconhecimento nacional do seu trabalho, só tenho que agradecer muito a Deus.

Curiosidade da redação: o que você achava da paródia “professor Coisinha de Jesus”, feita pelo Casseta & Planeta?

Carlinhos: Este personagem foi um presente para mim, adorei!! Quando a turma do Casseta criou o quadro, Marcelo Madureira encontrou comigo nos corredores da Globo e disse que eles só brincavam com quem era referência e fiquei muito vaidoso. O Programa Casseta e Planeta acabou em 2012 e, ainda hoje, 2017, as pessoas brincam comigo. Às vezes estou no aeroporto e passa um fazendo aquele gesto típico do Professor Coisinha de Jesus. Muito engraçado.

https://globoplay.globo.com/v/1508551/

DC: Deixe uma mensagem final aos nossos leitores.

Carlinhos: Dançar é muito além do movimento, transcende passos e coreografias, é preciso estudo, foco e ética.

MUITO OBRIGADO, CARLINHOS DE JESUS, PELA HONRA DESSA ENTREVISTA!!